sexta-feira, 27 de fevereiro de 2009

Sexo frágil???

No fundo, eu não sei até onde as transformações entre gêneros fizeram bem ao mundo. E eu sei que eu mesma tenho a minha parcela de culpa. Sempre preferi um Ross a um Chuck Norris. E quem haveria de me culpar? E agora, quando surge em mim uma necessidade de ser frágil, incoerente, dodói, agora, que essa mulherada já fez com que eles acreditassem que não era isso que a gente queria, problema nosso!Ficamos meio imóveis, tomando conta do equilíbrio do mundo (porque a gente se acha, claro). Não podemos cobrar, porque eles se irritam. Não podemos perguntar, porque perguntar é cobrar e eles se irritam. Não podemos magoar, porque magoar é ser mandona, ser mandona é perguntar, perguntar é cobrar, e eles se irritam. Não podemos dizer que estamos nos sentindo sozinhas, porque isso é cobrar e eles se irritam. Temos que pisar em ovos, porque tudo os deixa meio de mau humor. E eles se irritam.E a gente não consegue acompanhar. E para variar, a gente não leva nenhum tipo de vantagem. Com toda essa suposta fortaleza nos sendo jogada nos ombros, o nosso caminhar pela vida acaba ficando um pouco mais difícil. E o pior, não nos deram o essencial para sermos a verdadeira mulher-macho: o desapego.E isso, minha amiga, acho que nem em um milhão de anos.Nem com milênios de evolução. Nem com Darwin e Freud, sentadinhos, um de cada lado, segurando as nossas mãos, nos dando beijinhos e fazendo massagem nos nossos pés...

2 comentários:

Crisneive Silveira disse...

Será que eles são o Sexo Frágil agora? Magoam-se com tudo...

Mariana Barreto disse...

com certeza são!