segunda-feira, 9 de novembro de 2009

Não tento agradar, Não temo tentar, errar, me arrepender…
A vida é uma bolha enche o saco, estoura…
Sou aquela que destoa…
Que faz versos à toa…
Que gosta da noite, e da fina garoa…
Não tenho preso o rabo, escrevo por prazer, ainda que com um travo amargo.
Não temo desagradar… Tanto faz, me criticar ou elogiar, minha paciência, sempre anda por um fio…
Entrega é loucura, cai num imenso vazio…
Sou metade amor, doçura,
Metade revolta, amargura…
Sou sentimentos confusos,…
Sorrisos e lágrimas…
Tempestade e calma…
Sou eu morando, com minha rebelde alma.
(Mary Trujillo)

Um comentário:

Mariana Barreto disse...

Minha preta, esse texto é a tua casa!
Parece que te vi em cada palavra.
Beijos te amo